quarta-feira, 31 de outubro de 2007

No beco escuro explode a violência

Tudo bem, não era um beco, era a rua do meu amigo Aruan, mas era escura. A violência não foi tão dramática assim, abriram o meu carro e roubaram uma bolsa preta, tipo pasta.
O prejuízo? Bom, para entender o prejuízo é preciso esclarecer algumas coisas.
Fui até lá para jogar roleplaying game (é roleplaying Aruan, não errepegê!), portanto levei 4 livros grandes, pesados, de capa dura que juntos, dentro da bolsa preta deviam se parecer com um laptop. É a única explicação para alguém roubar isso.

O prejuízo foi grande em reais. Uns R$300 de livros, R$200 da frente do rádio, R$50 das chaves de casa (pois é, perdi as chaves de casa de novo!) e uns R$60 em dados poliédricos de plástico.

De tudo issso, o que mais doeu foram os dados. Eu tinha esses dados desde 1988 quando comprei meu primeiro RPG (RPG não, roleplaying game), o Dungeons & Dragons basic set que vinha numa caixa vermelha e acompanhava um conjunto de 6 dados multifacetados. Comprei na livraria Malasartes na Gávea, a pioneira em trazer esses jogos para o Rio.

Existe uma chance do ladrão saber ler em inglês, se interessar pelos livros e abandonar o crime, tornando-se um culto jogador de roleplaying game. Quem sabe um dia estaremos jogando juntos.

A frente do rádio CD/MP3 do carro foi o item mais caro (individualmente), porém duvido que o ladrão consiga vender muito bem. A frente tinha um pino de plástico quebrado (obra do Danzo) e eu tinha consertado colocando um parafuso com araldite no lugar. Espero não encontrar para vender a minha própria frente, pois não sei nem o que eu farei...

Eu sei que esse tipo de furto de objetos dentro de automóveis é bem comum nas grandes cidades, mas nunca tinha acontecido comigo. Como muitos já devem saber, a sensação é péssima.

Curioso como o ladrão abriu o carro sem quebrar nada. Me disseram que existe uma ferramenta que faz isso. Uma haste que se enfia na fresta da porta e puxa-se a tranca. Fiqueio curioso sobre isso, vou tentar fazer o experimento de arrombar o meu próprpio carro. Talvez eu consiga bolar alguma coisa que evite esse tipo de roubo.

A violência explodiu no beco escuro, mas ao contrário da música dos Paralamas, eu não estava preparado.
O mundo continua mau.

5 comentários:

marcio disse...

Yuri quantos aos dados tem uma loja aqui pertinho do meu trabalho que so tem esses malucos tipo vc que andam de preto e jogam essa porra coisa pra gente inteligente não é o meu forte hahah
Mais o problema que a loja so tem maluco imagina eu de gravata pra comprar a porra dos dados, me oriente como se chama o nome tecnico dos dados pois faço questão de te dar essa moral pois eu sei como é horrivel chegar no carro e não ter nada ja me aconteceu só que tinha uma maquina canon! maiiiissss vamos em frente!

ps! manda pro meu email que eu te mando essa porra dos dados a loja é muito maneirinha abra so a tarde pois os malucos devem jogar até dde madruga!

Bruno disse...

E o pior de tudo, o que nos resta é sentar e chorar...

Ogro disse...

Marcio, meu velho.
Obrigado pela força, mas não precisa se preocupar. Já encomendei os dados.
Agora me lembrei de um detalhe, minha caixa original do D&D Basic Rules era de Portugal, editada pela SocTip, talvez os dados que vieram na caixa fossem portugueses também.

Ogro disse...

Um adendo: levaram o meu CD A Bigger Bang dos Rolling Stones que também estava na bolsa.

Bruno disse...

hahhahahhaha... preju total.