quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Horário eleitoral

Ontem assisti ao horário eleitoral gratuito da televisão com as campanhas de Dilma e Serra para presidente.

And the Oscar goes to....

"Eu conheço o Serra há mais de 30 anos e sei o mal que ele pode fazer a este país."
              - Fernando Moraes (escritor)


O mundo é mau.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Teorias da conspiração

Todo mundo já ouviu as mais estapafúrdias teorias conspiratórias pelo menos um vez na vida.
As internacionais mais famosas são as que envolvem o assassinato do presidente norteamericano John Kennedy, a primeira expedição tripulada a pousar na lua e, mais recentemente, o atentado de 11 de setembro às torres do World Trade Center.


A teoria sobre o tentado do WTC é bem detalhada no filme Zeit Geist.

Mas pouca gente lembra das teorias conspiratórias brasileiras. A mais interessante é a que trata sobre a morte dos presidentes João Goulart, Juscelino Kubitschek e Tancredo Neves.
Segundo essa tese conspiracionista, os três foram assassinados misteriosamente pela Operação Condor, um complô internacional envolvendo os governos militares do Brasil, Argentina, Chile e Paraguai.
Jango morreu em 6 de Dezembro de 1976 e, segundo versão oficial, teria sido vítima de problemas cardíacos, mas tem gente que jura que ele foi envenenado.

O falecido ex-governador Leonel Brizola, casado com a irmã de Jango, defendia essa tese. Ele dizia, ainda, que Jango não foi a única vítima do esquema internacional. Segundo ele, a Operação Condor também seria responsável pela morte do ex-presidente Juscelino Kubitschek, que se envolveu num suposto acidente de carro em 22 de agosto de 1976. Os adeptos da tese alegam três razões para o acidente: sabotagem, bomba ou motorista baleado. Aliás, no ano seguinte morre Carlos Lacerda, quando articulava a recuperação de seus direitos políticos cassados. O que liga as mortes dos três políticos (dois ex-presidentes e um ex-governador) e alimenta a paranóia é que os três haviam se aproximado e planejavam uma frente ampla tri-partidária para forçar uma eleição para presidente com um candidato civil que tivesse chances reais de ser eleito.

Outra morte cheia de pontos obscuros foi a de Tancredo Neves. Ele foi internado com diverticulite intestinal e faleceu depois de 38 dias de internação e sete cirurgias. As hipóteses levantadas foram inúmeras, entre elas, atentado e envenenamento.
A hipótese de atentado à bala conta ainda com depoimentos de gente que "jura que viu" a extinta TV Manchete noticiar extraordinariamente de madrugada que o presidente eleito havia sido vítima de atentado à bala.
Essa é uma teoria que eu queria ver num filme.

O mundo é mau.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Sobre garotas e maçãs

Adaptado de um texto de Pete Wentz, baixista da banda ruinzinha Fall Out Boy:

Garotas são como maçãs... as melhres estão no topo da macieira.
Os rapazes não querem ir até elas porque têm medo de cair da árvore.
Em vez disso, eles simplesmene recolhem as maçãs podres que estão no chão. Essas não são tão boas, mas são fáceis de pegar.
Assim as maçãs do topo começam a pensar que há algo de errado com elas...
Só precisam esperar pelo cara certo escalar a árvore até o topo.
Mas o bom comedor de maçã não quer correr esse risco.
Ele fica esperando elas caírem de maduras.

O mundo é mau.

PS: Aliás não sei porque essa metáfora de mulheres e maçãs. Peras seriam muito mais apropriadas para isso.

PPS: Sim, roubei essa idéia do blog Catarro Verde.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Eleições 2010 - 1º Turno RJ

A eleição para governador do Rio ficou dentro do previsto.

Previsto por quem entende e acompanha a política há mais de 20 anos, porque se dependêssemos dos institutos de pesquisa para analisar a “tendência” do eleitorado, estaríamos ainda vivendo na Wonderland de Lewis Carroll.

Com a saída do ex-gorvernador, ex-prefeito e ex-croque Garotinho (referência a uma das poucas piadas ainda boas do Casseta e Planeta) da disputa pelo governo do Estado, Sérgio Cabral acabou herdando os votos dele. Garotinho correu para a Câmara dos Deputados, onde gozará de foro privilegiado por 4 anos, tempo suficiente para seus advogados conseguirem apagar os incêndios e as denúncias contra ele perderem força e sumirem do noticiário. Jogada de mestre.

Gabeira ficou com praticamente os mesmos votos que teve para prefeito, ou seja, metade dos votos da capital. A capital fluminense equivale a cerca de 40% do eleitorado do estado, o candidato do Partido Verde ficou com seus 20% esperados. Cabral e Garotinho deveriam dividor os 66% de votos, mas sem o segundo na disputa, Cabral levou tudo. Nunca foi tão fácil re-eleger um governador.

Para o Senado a coisa foi mais emocionante. O ex-deputado, ex-prefeito e ex-croque, César “Cidade da Música” Maia, saiu em segundo (?!?!) de acordo com os Institutos de Pesquisa (só rindo mesmo), atrás do senador Marcelo “Universal” Crivela, mas foi atropelado por Lindberg “do pó” Farias e Jorge “Godfather” Picciani, graças ao apoio maciço de Lula e Cabral aos dois. Lindberg disparou e terminou em primeiro, arrastando consigo o Picciani que quase passou o Crivela (Jesus não permitiu, aleluia!.. com ironia, por favor).

Bizarro mesmo é a eleição para deputados federal e estadual. Enquanto alguns deputados são eleitos com pouco mais de 10 mil votos, outros com mais de 30 mil ficam de fora... vai entender esse sistema eleitoral.
O mais engraçado é ver candidatos com 6, 7, 8 votos. Patético. O cara não tem nem 10 amigos pra votar nele??

A “surpresa” maior foi o resultado para Presidente do Brasil, José Serra conseguiu quase 33% dos votos enquanto que a candidata oficial ficou com 46%. Boa surpresa foi a Marina Silva que conseguiu 20% dos votos, um grande feito para a candidata do PV. Mais um fiasco para a conta dos institutos de pesquisa.

Teremos um segundo turno entre a petista Dilma, alavancada pelo presidente Lula, e o tucano Serra, renegado por seus pares do PSDB.

Se tivesse que apostar, apostaria na Dilma. All-In!

A grande vencedora continua sendo a democracia brasileira. Que permaneça assim.

Em tempo, o melhor slogan de campanha do Brasil: “Tiririca. Pior que tá não fica.” – deputado federal mais votado do Estado de São Paulo.

O mundo continua mau.