segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Rock In Rio - minhas considerações e avaliação

Acesso: nota 8

O acesso à Cidade do Rock foi tranqüilo. Mais pela ausência dos carros dos espectadores do que propriamente pelo esquema da Prefeitura e dos organizadores.

Meu conselho: vá de carro e estacione na Estr. dos Bandeirantes em estacionamentos pagos. Acesse a Estr. dos Bandeirantes pelo lado do Recreio/Vargem Grande.


Estrutura: nota 1

Banheiros não deram vazão à quantidade de homens. Virou um mar de mijo.
Filas enormes e constantes para comprar qualquer coisa. Média de 1h30min de fila.

Meu conselho: leve uma mochila com sanduíches e fique de tocaia nos cantos onde os ambulantes saem com as bebidas.


Som: nota 2

O som foi um dos piores que já vi (ouvi) na minha (longa) vida em shows de rock.
O Palco Sunset (palquinho) teve o som péssimo durante as 3 primeiras apresentações. O som oscilava de volume e ficava baixo e abafado quase todo o tempo.
O som no Palco Mundo (principal) também falhou da mesma forma nas primeiras músicas do Metallica.


Atrações off-musica: nota 9

Roda Gigante, Montanha Russa, Tirolesa e outros bichos: Legal. Tirando a fila que exigia muita vontade de brincar, valeu pra galera mais jovem curtir a cidade do Rock como um todo.

Meu conselho: se você tem mais de 25 anos, ignore os brinquedos.


Artistas (line-up): nota 8

No papel parecia um bando de shows desconexos e sem expressão. Na prática os artistas fizeram boas apresentações. Tirando o Gloria que não tinha condições de encarar um festival desses nem se fosse no palquinho.

O Sepultura atrasou sua apresentação por conta dos problemas no som do palquinho, os quais foram, milagrosamente, resolvidos. A a banda fez uma boa apresentação que passou por cima do Gloria que já tocava no palcão (!!)

Todos do palquinho arrebentaram, com destaque para Angra com Tarja Turunen – grande show, muito prejudicado pela qualidade do som.

Individualmente:

Matanza: nota 8 – muita empatia e pegada – se ferraram por causa do som do palquinho. Mesmo com o primeiro horário, tiveram grande audiência e todo mundo que chegava corria para vê-los.

Korzus: nota 6 - banda desconhecida pra mim, foi o momento mais baixo do palquinho. João Gordo (convidado da banda) pediu “respeito com as banda nacional” – podia começar respeitando a língua portuguesa...

Angra: nota 9 - fez um show correto com seus sucessos e participação de alguém da Família Lima no violino. Soou bem - bola dentro do Angra. A cantora ex-Nightwish, Tarja Turunen, se apresentou muito bem, com carisma e voz impecável. Destaque para o número O Fantasma da Ópera. Perderam a nota dez por conta dos teclados gravados em várias músicas. Era melhor ter chamado um tecladista pra fazer ao vivo.

Sepultura: nota 10 - dei 10 por conta da qualidade e coerência da banda e pela inserção do Olodum da França que caiu bem, apesar de em alguns momentos torrar um pouco o saco. Sepultura é uma banda barulhenta pra mim, não curto, mas respeito. Ganharam ponto por exigir que consertassem o som antes de tocarem e por terem peito de concorrer com o palcão – levaram a melhor. Andreas Kisser, o mais novo arroz de festa da música brasileira, ainda iria dar uma canja no Motörhead mais tarde.

Gloria: nota 1 – entrou e saiu do mesmo jeito: desconhecida. Tomou vaia no começo, desistiu das músicas próprias e atacou de covers do Pantera. Conseguiu uma sobrevida, mas foi só. Não levaram zero apenas pela coragem.

Coheed and Cambria: nota 5 – desconhecida do púlico. Soou como um Rush muito piorado pra mim. Fez um show longo demais, mas não ruim.

Motörhead: nota 10 – deu logo o recado: “Nós somos o Motörhead e nós tocamos Rock’n Roll!”. E foi isso. Andreas Kisser entrou pra tocar com eles o hit Overkill.

Slipknot: nota 10 – não conheço quase nada deles e nem gosto. Durante o show dormi por meia hora e dei uma volta. Pude sentir que estavam arrebentando, todo mundo cantava e curtia. Pela reação do público e pelo presépio de palco ganharam nota máxima.

Metallica: nota 10 – fizeram um show um pouco diferente do Morumbi., mais ‘true’ metal com inserções de algumas músicas antigas com a pegada thrash que os consagrou. Não há muito o que dizer deles: impecáveis.
Foram prejudicados no início pela péssima qualidade do som do palcão. Estavam notoriamente felizes por tocar no Rio e em grande sintonia com o público.


Telões: nota zero – é isso mesmo. Os câmeras eram muito ruins e não sabiam o que filmar. O diretor não conseguia mostrar nada no telão.
Andreas Kisser ficou uns 8 minutos no palco com o Motorhead e o telão não mostrou ele nenhuma vez sequer.
No show do Metallica, James Hatfiled puxava a galera para gritar e socar o ar.Numa hora, ele fez isso e virou para o telão, num óbvio movimento para que o diretor colocasse a galera na tela e assim empolgasse ainda mais, com todo mundo se vendo e gritando ao mesmo tempo. Não rolou porque o cara que decidia as imagens do telão era muito incompetente, ou estava dormindo, ou bêbado, ou nenhuma das alternativas anteriores... Várias vezes deixava no telão as imagens das câmeras sendo carregadas para reposicionamento, filmando o chão ou qualquer outra coisa que não as bandas. Um desastre.

Público: nota 10 - apesar da maratona de 12 horas de show, o público aguentou até o final. Se divertiu, cantou e pulou sem parar. A empolgação era tanta que seguraram o Metallica por mais 30 minutos no palco. Nenhum probelma de brigas. Muita gente deitada no gramado sintético e apesar da dificuldade de locomoção, a galera ia e vinha sem problemas. O pouco espaço e o som fraco no fundo reprimiu um pouco as rodas de pogo, mas nada que prejudicasse a diversão. Foi uma mistura harmônica de fãs veteranos e novatos do rock.


Observações aleatórias:

Muitas camisas do AC/DC, a banda de rock mais popular do planeta. Uma espécie de protesto discreto pela cascata mais ridícula que o Medina já disparou na mídia,  que o Metallica era a banda mais pedida pelo público e não o AC/DC.
Pelas informações dos organizadores, cada dia do festival era para 100 mil pessoas... 100 mil pessoas my ass!! Tinha no mínimo 150 mil. Eu apostaria em 200 mil fácil.

“Verdicto finalis”: nota 5 – valeu pela performance dos artistas, pelo público educado mesmo sem muito conforto e pelo preço da meia-entrada. E foi só. Foi um retrocesso em termos de qualidade de som e organização. A infraestrutura valeu apenas pelo piso e pelo gramado sintético.

Sobre os outros dias do Rock In Rio, eu é que pergunto: que outros dias????

For those about to rock, we salute you!

7 comentários:

Bruno disse...

O tempo está amolecendo seu coração. Deu notas muito altas... :-)

Faltou um DJ decente para animar a galera entre os shows... Estávamos todos sedentos por Rock 'n Roll.

Ficaram de fora também atrações de peso e de qualidade como o Wolfmother. AC/DC nem se fala.

Que venha o cover do Guns 'n Roses...

Rodrigo The Rock disse...

Cara, parabens pelo review super completo!!!! Infelizmente eu não fui pq tenho averssão a grandes multidões como é o caso, no máximo vou a shows na apoteose mas assisti na íntegra confortavelmente em casa a partir da apresentação do Korzus. Concordo em basicamente tudo com vc, exceto pelo slipknot, que acredito ser uma bandinha de moda, assim como o Red Hot, (tudo bem é questão de gosto mesmo)e pelo sepultura q perdeu a pegada. Do mais, foi isso q percebi. Som parecia estar ruim no sunset, principalmente no angra que fez um puta show. Metallica já baixei o show completo mas ainda não tive tempo de assistir. Motorhead, nota 10.

abçs
Rodz

Bruno Morais disse...

Tipo, eu só vi pela tv. O que vocês acharam do show do Capital Inicial e dos Red Hot Chili Peppers?

Pergunto isso pelo que vi na tv, o que é totalmente diferente da realidade.

Ogro disse...

Bruno Morais,
Não vi esses shows que você tá comentando.
Mas as opiniões da galera na Cidade do Rock (no dia do Metallica) eram que o Capital tinha feito um puta show.

Ogro disse...

Ah sim... não vi, mas minha mulher viu (dando uma de Silvio Santos)...
Ela falou que o show do Red Hot foi muito bom também. E ela nem é fã do Red Hot.
No final das contas, se espremesse bem, dava uns 3 dias bons de festival.

Anônimo disse...

Resenha real, de quem realmente foi ao RIR. Como conseguiu dormir por meia hora no show do Slipknot? Não sou fã da banda, mas a apresentação dos caras foi arrebatadora, incrível.
Tudo bem ser fã do AC/DC, mas vc devia reconhecer o óbvio: hj no planeta o Metallica reina absoluto, sem ser ameaçado por qualquer outra banda de rock. Nota 9 pra vc.

Ogro disse...

Anônimo,

Obrigado pela nota 9.
Cada um com seus delírios, mas se quiser cair na real, pergunte pro Google.