quarta-feira, 12 de março de 2008

Iron Maiden no Palestra Itália (o show)

Entrada tranqüila e organizada. Cerveja cara, para variar.
A área da Pista Especial era bem pequena, o que minimizou a briga por lugar. Qualquer lugar era bom. E também deixou a Pista Normal mais próxima do palco do que eu esperava. Primeiro rolou um showzinho de abertura com a filha do Stevie Harris e sua banda. Lauren Harris cantou suas músicas e deu o seu recado. Não há muito o que comentar. Ela não tem uma grande voz, nem uma voz bonita, mas não desafina. Tanto a banda quanto as músicas estão mais para trilha sonora de Malhação. Um rock comercial e bobinho para pré-adolescentes. Muito cabelos esvoaçantes por parte do guitarrista e do baixista. Este último se esforçou para interagir com o público e foi até simpático.
Depois do show da filha mais velha do baixista do Iron Maiden (essa é a melhor definição para ela, acredite) veio o segundo susto. Caiu uma tremenda chuva.
Molhados
Por sorte a chuva durou apenas o intervalo para o Iron Maiden subir no palco e já tinha parado quando começou o video de introdução do show. No entanto deixou o palco encharcado. A banda entrou detonando Aces High e Bruce entrou derrapando pelo palco.
Seu microfone deu algumas falhadas durante a música, mas já na segunda música, 2 Minutes to Midnight, o som estava impecável.
O vocalista corria de um lado para outro e patinava na grande poça d'água que era o centro do palco. Ele parecia de divertir. Confesso que fiquei com medo dele tomar um estabaco e parar o show. Acabou fazendo uma pausa para que passassem o rodo no palco (literalmente). Bruce achou que o cara estava muito mole e ele mesmo pegou o rodo e passou.










Público bem jovem e renovado de São Paulo. Mais educado, no geral, do que o do Rio, mas um tanto menos animado (pelo menos ali na Pista Especial).




Bruce Dickinson teve o mérito de esticar várias notas para que sua voz sobressaísse sobre a voz do público, em várias músicas. Mostrou que sua garganta está em plena forma.








Fear of the Dark de longe.


Alguns dos videos que eu fiz. Só para dar um gostinho.

Introdução


Revelations


Can I Play With Madness?


Run To The Hills


Iron Maiden e Eddie no palco. Pausa para o bis.



Um show só de sucessos. O reportório me parece meio que escolhido pelos fãs da banda:
Intro - discurso de Wiston Churchill (presente na abertura do álbum Powerslave)
1. Aces High
2. 2 minutes to midnight
3. Revelations
4. The Trooper
5. Wasted Years
6. Can I Play with madness
7. Rime of the ancient mariner
8. Powerslave
9. The Number of the Beast
10. Heaven can wait
11. Fear of the Dark
12. Run to the Hills
13. Iron Maiden
bis
14. Moonchild
15. Clairvoyant
16. Hallowed be thy name

Quase perfeito. Tirando duas ou três canções e colocando outras como Running Free ou Flight of Icarus ficaria perfeito.

Mesmo para quem já havia assistido o Iron Maiden ao vivo 3 vezes, uma delas com o Blaze Bailey (argh!) nos vocais e ainda 2 shows solos do Bruce Dickinson e um show do Paul D'ianno no Circo Voador (ufa!), esse show foi eletrizante. Melhor do que o do Rock In Rio 3, apesar da grandiosidade do festival (e também pelo stress que vivi naquele show, um dia eu conto). Rivalizou com a última apresentação do Maiden no Rio, no Metropolitan (acho que era na época chamado Claro Hall). Enfim um grande concerto da melhor banda de heavy metal da história.
Me faltou um pouco de manha para tirar fotos melhores e filmar decentemente, prometo melhorar no próximo.

Sobreviventes


Em breve Ozzy Osbourne, o velhinho das trevas, estará dando o que pode ser o seu último rolé pelo mundo. Vou vê-lo para me despedir.

Up the irons!

2 comentários:

Bruno disse...

Setlist arrebatador. O início com o discurso do Churchill e Aces High já valeu o ingresso.

Agora me pergunto: por que não no Rio também?

Yuri Kauss disse...

A explicação oficial foi que os produtores da turnê incluíram uma data em Buenos Aires que impossibilitou mais uma apresentação no Brasil. De qualquer forma prometeram voltar no ano que vem com um super palco cheio de parafernália e fazer muitas datas no Brasil. Devem incluir o Rio nessa.